ABANDONE O LIGHT E DIET. APOSTE EM COMIDA DE VERDADE!

6.jpg

A famosa e onipresente barrinha de cereal, o refrigerante com o rótulo em tons mais claros, chocolate, pão, biscoito, paçoca, iogurte, goiabada e até sal: hoje em dia, há uma versão light ou diet para todo tipo de comida. A indústria alimentícia nos fez esse favor e, para isso, faz uso de uma nobre justificativa: ajudar aqueles que queiram emagrecer e encontrar os caminhos para uma vida regrada e saudável. Mas será que isso é mesmo verdade?

Produtos light e diet muito frequentemente não são a opção mais saudável do mercado — e, ao contrário do que se pensa, podem até arruinar uma dieta de emagrecimento. Ficou intrigado? Prossiga com a leitura e descubra por que o light e o diet nem sempre são as melhores escolhas. Você poderá perceber que, na maior parte das vezes, vale muito mais a pena apostar em comida de verdade, isto é, orgânica, natural e equilibrada, é claro!

Comendo sem culpa

06.png

Você já deve ter se pegado alguma vez olhando para uma sedutora caixinha de chocolate no supermercado e exclamado sem pudores: esse eu posso comer porque é light! Não importa se é plena segunda-feira, não importante se não faz parte do cronograma ou se não encaixa no cardápio estipulado para o dia.

O pequeno dizer light tem o poder mágico e inconsequente de nos isentar de culpas! Mas atenção, não se iluda! Tal como sua versão normal, o chocolate light possui açúcares e calorias, só que geralmente em menor quantidade. Não vá comer a barra toda achando que não vai engordar. Lembre-se: os produtos light e diet também podem pesar na balança e na sua saúde, especialmente se não houver controle de porções! Moderação é a palavra da vez!

O mito da redução calórica

006.png

Eis uma informação que pode pegar muita gente de surpresa: light e diet nem sempre são sinônimos de redução de calorias! Quer uma prova disso? Pense no sal! O produto certamente não é rico em calorias ao ponto de elas precisarem ser diminuídas — certamente um punhado de sal a mais não o fará engordar três quilos na balança, embora possa elevar perigosamente a pressão arterial e causar retenção de líquidos se consumido. Mas acréscimo de peso? É pouco provável. Então por que já existe no mercado demanda para uma versão light?

Ocorre que light é uma designação que indica redução de algum nutriente, e diet é a isenção desse nutriente no produto — mas atenção, porque pode ser qualquer nutriente: calorias, mas também açúcares, gorduras, proteína ou até mesmo sódio, como é o caso do exemplo acima! Fique de olho nas embalagens para não trocar seis por meia dúzia e lançar a sua dieta ladeira abaixo!

Atenção aos rótulos

0006.png

Light e diet não é necessariamente sinônimo de saúde. Muito pelo contrários, esses produtos possuem diversos aditivos químicos e, em algumas vezes, a redução de um nutriente acaba por implicar em um aumento na quantidade de outro, pelas mais diversas razões. Por conta disso, vários produtos que se encaixam na categoria do light têm uma concentração de sódio maior do que a versão original. É esse o caso da Coca-Cola. Os hipertensos precisam sempre ficar atentos aos rótulos!

Aposte no natural!

00006.png

No traiçoeiro mundo dos rótulos e produtos industrializados, quem aposta no natural e no orgânico é rei. A redução calórica ou de açúcar pode ser facilmente alcançada através da ingestão de vegetais, grãos e oleaginosas — e para isso você sequer precisa chegar perto da prateleira dos produtos lights e seus perigosos aditivos químicos.

Que tal fazer uma tentativa? Se você não sabe por onde começar, eis algumas dicas:

 

  • Troque o adoçante pelo mel e faça sempre aquela velha perguntinha: será mesmo que esse suco ou café precisa ser adoçado?

  • Tomate, alface, rúcula, agrião, cenoura, vagem, couve-flor, brócolis. Dê novas cores e formatos ao seu prato! Legumes e vegetais são nutritivos e, em grande parte das vezes, têm um baixo teor calórico. #DaHortaParaMesa

  • Que tal uma salada de frutas caprichada para substituir a sobremesa ou o lanche de tarde?

  • Troque a barrinha de cereal industrializada por uma caseira, sem conservantes. Ou que tal substituir o lanche por um punhado de castanhas, amêndoas, passas e nozes? As oleaginosas são ricas em proteína e excelente fonte de gordura boa! Só não vá com muita sede ao ponte: controle a quantidade para não ingerir nada em excesso, viu?

  • Livre-se dos refrigerantes — mesmo os light ou diet são nocivos ao organismo e podem causar inchaço e gases. Aposte nos sucos (são inúmeras as possibilidades!), chás gelados (preferencialmente feitos em casa, é fácil!) e até no tradicional copo de água.

O que achou das nossas dicas? Que tal adaptar a sua rotina e trocar o light e o diet industrializado por comida de verdade? Se possível, orgânica. São inúmeras as possibilidade: dê uma chance e você certamente irá se surpreender com os novos sabores a serem descobertos. Nos vemos em breve!