3 MOTIVOS PARA ADOTAR UMA DIETA ORGÂNICA EM SUA CASA

9.jpg

Por que comer uma maçã repleta de agrotóxicos se você pode trocá-la por uma livre de quaisquer compostos químicos e industriais? E que tal servir um almoço sem inseticidas e pesticidas? Essa é a premissa por detrás dos alimentos orgânicos, um segmento que tem atraído cada vez mais consumidores nas cidades e nos grandes centros urbanos.

Livres de agrotóxicos, hormônios, fertilizantes, inseticidas e outras substâncias bizarras — e pra lá de suspeitas —, a procura pelos orgânicos tem crescido de forma exponencial, provando que as pessoas estão cada vez mais atentas a uma regra básica da alimentação saudável e consciente: a comida está muito além daquilo que se vê no prato.

Achou interessante? Continue a leitura para descobrir os benefícios de um alimentação que privilegia produtos de origem orgânica e entenda por que cada vez mais famílias estão aderindo essa ideia. Vamos lá!

Mais saúde, mais nutrientes

09.png

É fácil perceber a diferença de tamanhos entre uma cebola plantada sem agrotóxicos e uma cultivada a base de aditivos químicos. Pode parecer pouco vantajoso trocar uma pela outra, mas esse é um equívoco muito comum, e um dos passos para adotar uma dieta orgânica.

Embora os alimentos cultivados com o uso do agrotóxico a princípio possam parecer mais vistosos, os orgânicos são muito mais ricos em nutrientes: um estudo feito nos Estados Unidos concluiu que cultivos orgânicos contêm cerca de 40% a mais de antioxidantes do que os produzidos de forma “tradicional”! Já pensou?! Para quem não sabe, essa substância é responsável pelo combate de radicais livres e por sua capacidade de retardar o envelhecimento — muito bom, concorda?

E não é só isso: o valor nutricional das frutas também aumenta. Os pesquisadores descobriram que as taxas de frutose, vitamina C e potássio são mais altas nas frutas plantadas livres de herbicidas e pesticidas artificiais, muito danosos à saúde de um modo geral. No lugar deles, os agricultores fazem uso de recursos naturais.

Uma estratégica comum, por exemplo, é introduzir fungos na plantação! Parece estranho? Na verdade, eles são verdadeiros inimigos do insetos e, quando utilizados de forma correta, podem aumentar a produtividade de uma lavoura sem colocar em risco a saúde do consumidor ou do produtor.

Menos poluição

009.png

O que acontece com os resíduos químicos gerados pela agricultura tradicional? Parte dos inseticidas e herbicidas utilizados nas plantações são lançados de volta ao ambiente, o que pode contribuir para a poluição do solo e das águas, além de colocar em risco a vegetação e a fauna locais. Isso mesmo: aquela alface comum que você comprou no seu sacolão pode estar contribuindo para a destruição do meio ambiente, já imaginou?

A agricultura orgânica, ao contrário, danifica muito menos o meio ambiente: além de demandar menos gastos energéticos, não há a necessidade de descartar produtos químicos nos ecossistemas terrestres ou aquários. Quer preservar o meio ambiente? Opte por uma alimentação de origem orgânica!

Responsabilidade Social

0009.png

É muito raro encontrar produção orgânica em larga escola. Geralmente, os alimentos são produzidos em pequenas propriedades, várias vezes por uma única família, que se divide para plantar, cultivar, colher e repassar ao consumidor (ou ao mercado e comércios locais) os frutos de seu cultivo.

Parece bucólico, e é: escolher alimentos orgânicos é oferecer aos pequenos produtores fontes de renda, valorizar sua mão de obra e colocar um freio no monopólio desenvolvido por grandes redes corporativas de produção alimentícia. #ComerÉUmAtoAgrícola

Quer dar uma chance aos orgânicos? Além de vegetais, frutas e legumes, existem no mercado atual uma série de opções que se opõem à produção tradicional. É possível encontrar ovos e carnes de origem orgânica, além de doces, geleias, chocolates, sucos, vinhos e cereais. Desvende novos sabores e conte pra gente como foi a experiência!